Mamoplastia de Aumento

Dra. Patricia Marques
Especialista pela Sociedade
Brasileira de Cirurgia Plástica

Próteses de silicone 

A cirurgia de aumento mamário utilizando próteses de silicone é um dos procedimentos plásticos mais realizados no Brasil e no mundo. As pacientes buscam aumentar o tamanho dos seios, melhorar o contorno e restaurar volume perdido após emagrecimento ou amamentação, por exemplo.

No planejamento cirúrgico temos que avaliar 03 pontos:
-via de acesso, que é por onde colocamos a prótese e onde a cicatriz ficará posicionada,
-plano de colocação do implante,
-tipo de implante, principalmente formato e volume.
 
Via de Acesso 
A via mais utilizada é a através do sulco inframamário, dobra natural de pele localizada abaixo da mama. Essa via é tecnicamente simples, deixa uma cicatriz bem discreta e camuflada em um sulco natural e pode ser utilizada em todas as pacientes. Além disso, caso seja necessária uma reoperação, essa é a via preferencial.  
A segunda via mais comum é a periareolar, na qual a cicatriz fica na transição entre a aréola e a pele da mama. A principal limitação é que não pode ser realizada em pacientes com aréola pequena ou que necessitem de um implante mais volumoso, ou seja depende da relação entre o tamanho da aréola e do implante que se pretende colocar.
Por fim, na via axilar a prótese é introduzida através de uma incisão/corte em uma prega natural na axila. A grande vantagem consiste na ausência de cicatrizes na mama, no entanto é tecnicamente mais difícil.


 Plano de Colocação 
O plano de colocação do implante depende fundamentalmente da espessura do tecido mamário que a paciente apresenta. No plano subglandular o implante se localiza atrás da glândula mamária e é indicado para pacientes que possuem tecido mamário espesso e com pouca flacidez. No plano subfascial o cirurgião posiciona o implante abaixo de uma membrana do músculo peitoral, a fáscia, acrescendo mais uma camada de cobertura para a prótese, tornando a mesma menos visível. E o plano retromuscular ou retropeitoral a próteses é colocada abaixo do músculo e é usado em pacientes que não tem tecido mamário suficiente para camuflar o contorno do implante. Nesse último caso o desconforto após a cirurgia é um pouco maior, e há mobilidade da prótese durante movimentação do músculo. Há ainda uma modalidade mista, chamada dual plane, em que a parte superior da prótese fica coberta pelo músculo peitoral e a parte inferior fica coberta apenas pela glândula mamária.


 Tipo de Implante 
A decisão sobre formato e volume da prótese depende do desejo da paciente, características do tórax e da mama e medidas realizadas no consultório.
Há basicamente 2 formatos de prótese de silicone, redondos e anatômicos. Os implantes redondos dão mais volume na parte de cima da mama, criando um colo mais projetado, enquanto que os anatômicos têm formato em gota e, portanto, dão mais volume e projeção na porção inferior da mama, criando um resultado bastante natural. A decisão sobre o formato é muito pessoal e deve ser feita após as considerações sobre o resultado desejado.
Quanto ao tamanho é preciso escolher um implante que preencha a largura da mama, mas não ultrapasse os seus limites, de acordo com a medida da largura da mama e da espessura do tecido mamário.
 
Quando o planejamento é feito criteriosamente e todos esses pontos são observados em conjunto com a paciente o resultado da cirurgia costuma ser muito satisfatório e duradouro.
 
Há em pesquisa alguns dispositivos para aumento mamário utilizando enxerto de gordura da própria paciente, mas ainda não estão disponíveis para uso.

 

 

Não Arrisque sua Saúde

Cirurgia plástica só pode ser executada em ambiente hospitalar e por médico com formação em cirurgia plástica reconhecida pela Sociedade Brasileira de Cirurgia Plástica. 

Vídeos 

Assista abaixo o vídeo sobre essa cirurgia:

f_implante.jpeg

Aumento da autoestima, melhora do contorno e volume dos seios

Sobre a Cirurgia
Local da cirurgia: centro cirúrgico hospitalar
Tempo de cirurgia: 2 horas 
Tipo de anestesia: anestesia geral ou local com sedação
Tempo de internação: 12 a 24 horas
Cicatriz: muito discreta
Cuidados: não movimentar os braços por 2 semanas, retorno as atividades físicas após 1 a 2 meses

Pós-operatório:

  • Desconforto na área operada, tratado com analgésicos e anti-inflamatórios

  • Antibióticos orais na primeira semana

  • Edema (inchaço) e equimose (roxo) são esperados nos primeiros dias

  • Necessário utilizar sutien cirúrgico por 3 meses

Complicações precoces (horas a dias):

  • Infecção

  • Sangramento

Complicações tardias (após meses a anos):

  • Contratura capsular

  • Ruptura (raro)

  • Linfoma anaplásico de células gigantes/ALCL (raríssimo)

  • Síndrome auto-imune/inflamatória induzida por adjuvante/ASIA (raríssimo)

Dúvidas? 

Se ficou com dúvida ou quer mais informações, clique abaixo e agende sua consulta!

 

PatriciaPrincipal_edited.jpg
WhatsApp-icone.png